Brasil amplia agenda de negociações comerciais

11 Agosto 2015

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) abriu consulta pública a respeito de negociações comerciais com nove parceiros – entre eles, os países da Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA, sigla em inglês). Por sua vez, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) concluiu a abertura do mercado russo para produtos lácteos brasileiros, bem como o mercado de Mianmar para carne bovina e de aves. As ações traduzem o discurso do governo brasileiro em retomar a centralidade do comércio exterior para a política econômica do país.

 

A consulta do MDIC envolve negociações já em andamento, como a expansão do Acordo de Complementação Econômica No. 53 (ACE-53) com o México. Já a inclusão da EFTA no radar da diplomacia comercial deve facilitar a transferência de tecnologia, setor que responde por parcela significativa das importações brasileiras dos maiores sócios do bloco, Noruega e Suíça. Em visita recente ao país, a vice-ministra e secretária de Estado de Economia da Suíça, Marie-Gabrielle Ineichen-Fleisch, afirmou que o Brasil é o país “mais importante na América Latina, para os suíços”. No último ano, a corrente comercial com os membros da EFTA foi de US$ 7,2 bilhões, dos quais o Brasil importou principalmente produtos farmacêuticos, químicos inorgânicos e reatores – que, somados, corresponderam a 27,9% do fluxo total entre os parceiros.

 

A abertura dos mercados birmanês e russo resultou da sequência de visitas que a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, realizou no primeiro semestre do ano. Além de acompanhar a presidente Dilma Rousseff em sua viagem oficial aos Estados Unidos, entre junho e julho, a ministra realizou missões oficiais a Japão, Rússia e União Europeia.

 

No caso de Mianmar, os certificados sanitários brasileiros foram aceitos para a importação de carne bovina e de aves. Com isso, os produtores brasileiros terão acesso a um mercado de aproximadamente 52 milhões de consumidores. A negociação bem-sucedida do Brasil com os birmaneses pode servir de base para a superação das dificuldades com a Indonésia, que tem restringido as compras de frango brasileiro por meio de barreiras regulatórias.

 

Já o protocolo assinado junto ao Serviço Federal Sanitário e Fitossanitário da Federação da Rússia prevê a certificação de estabelecimentos aptos para a exportação de produtos lácteos. Pelo acordo, os importadores russos poderão, a qualquer tempo, realizar missões de auditoria para verificar a conformidade dos controles oficiais. As listas de autorização prévia (prelisting) incluem, ainda, outros produtos de origem animal, em que o Brasil poderá incluir carnes (aves, bovinas e suínas) e a Rússia, produtos da pesca. Em 2014, os russos importaram cerca de US$ 3 bilhões de carne e miudezas do Brasil.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

MDIC. MDIC ouve setor privado sobre a negociação de acordos comerciais com nove países. (07/08/2015). Acesso em: 11 ago. 2015.

 

MRE. Abertura do mercado de Myanmar para carnes bovina e de aves. (07/08/2015). Acesso em: 11 ago. 2015.

15 Junho 2016
Este artigo analisa as barreiras à exportação agrícola na Argentina e discute o impacto de sua eliminação, empreendida no início da gestão de Mauricio Macri. Com isso, o autor busca ilustrar os desafios a serem enfrentados pela nova administração.
Share: 
15 Junho 2016
Diante do provável desfecho próximo de duas disputas iniciadas contra instrumentos de política industrial adotados pelo Brasil, este artigo analisa lições que podem ser extraídas de tais contenciosos no que diz respeito às políticas comercial e industrial brasileiras.
Share: