Brasil e Argentina seguem sem acordo para reativar comércio bilateral

6 Maio 2014

Apesar das expectativas, Brasil e Argentina não conseguiram chegar a um acordo para destravar o comércio bilateral por meio de um sistema de garantia de financiamento das exportações brasileiras para o país vizinho (ver Boletim de Notícias Pontes, vol. 9, n. 3). O encontro em Brasília reuniu os ministros da Fazenda, Guido Mantega, e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Mauro Borges, e os ministros argentinos da Economia, Axel Kicillof, e da Indústria, Débora Giorgi, além de representantes do setor privado. Contudo, os diálogos resultaram apenas na promessa de um novo cronograma de reuniões.

“Os governos e representantes do setor privado de Brasil e Argentina assumiram, nesta terça-feira (29), o compromisso de estudar formas para o aumento das compras bilaterais do setor automotivo, o que reforçará a integração produtiva da região e favorecerá o comércio bilateral”, segundo a nota divulgada pelo MDIC e o Ministério da Fazenda. Um novo encontro com técnicos dos dois países foi agendado para 6 e 7 de maio, em Brasília.

O governo brasileiro esperava receber da Argentina uma resposta à proposta de usar o Fundo de Garantia à Exportação (FGE) para linhas de crédito que serão disponibilizadas por bancos privados no Brasil para financiar o importador argentino. Mas Buenos Aires resiste em aceitar essa proposta porque teria que assumir, como contrapartida, a dívida do exportador brasileiro, eliminando o risco cambial do comprador. Segundo o mecanismo desenhado por Brasília, a empresa importadora argentina depositaria o valor da compra em pesos no Banco Central da Argentina, que faria depois o pagamento, em dólares, aos exportadores brasileiros no prazo de até quatro meses.

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, que participou da reunião, os argentinos não recusaram a oferta brasileira, mas há o entendimento de que é preciso aprofundar a análise.

De acordo com a imprensa argentina, o governo da presidente Cristina Kirchner avalia que as propostas do governo Dilma Rousseff beneficiam somente a venda de veículos produzidos no Brasil. Em crise cambial e com dificuldades para exportar seus produtos, os argentinos tentam “pegar uma carona” nas medidas para destravar o comércio bilateral, incorporando às negociações metas para a integração produtiva, com o objetivo de beneficiar, principalmente, seus fabricantes de autopeças.

No encontro, os dois países também definiram que prepararão um cronograma de negociações para a renovação do acordo automotivo bilateral, que vence no próximo dia 30 de junho. A Argentina tem um especial interesse na renovação desse acordo, uma vez que o setor é considerado fundamental para a recuperação da economia do país. Em 2013, segundo o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec) a produção de automóveis na Argentina caiu 28,4%. E neste primeiro trimestre, a queda na produção já atinge 16%.

No lado brasileiro, a produção de automóveis encolheu 8,4% nos três primeiros meses do ano, ao passo que as exportações de veículos para o país vizinho caíram 32% devido às barreiras impostas pelos argentinos.

Reportagem Equipe Pontes

Fontes consultadas:

Ámbito.com. Argentina y Brasil acercaron posiciones para reforzar el comercio automotriz. (29/04/2014). Acesso em: 30 abr. 2014.

O Estado de S.Paulo. Reunião entre Brasil e Argentina termina sem acordo. (29/04/2014). Acesso em: 30 abr. 2014.

Folha de S.Paulo. Diante de impasse, Brasil acredita que há risco em negociação com Argentina. (29/04/2014). Acesso em: 30 abr. 2014.

MDIC Online. Nota à imprensa MDIC e Ministério da Fazenda. (29/04/2014). Acesso em: 30 abr. 2014.

5 Julho 2011
O brasileiro José Graziano da Silva foi eleito para o cargo de diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, sigla em inglês), em votação realizada em 26 de...
Share: 
5 Julho 2011
Agenda Multilateral OMC Local: Genebra, Suíça Para mais informações, acesse aqui . 6 de julho Reunião do Comitê sobre Comércio e Meio Ambiente 11 a 15 de julho Reunião do Grupo de Negociação sobre...
Share: