Brasil e Chile assinam Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos

27 Novembro 2015

Brasil e Chile assinaram, em 23 de novembro, um Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI), cujo objetivo é oferecer um ambiente institucional mais propício para a operação das empresas, por meio da prevenção de controvérsias e da melhora na governança para os investidores.

 

A importância do Chile na economia brasileira tem crescido nos últimos anos. Hoje, o país é o segundo maior parceiro comercial do Brasil na América do Sul e o terceiro na América Latina. As relações comerciais entre Brasil e Chile aumentaram em torno de 128% em 10 anos: de 2004 a 2014, o comércio bilateral saltou de US$ 3,9 bilhões para cerca de US$ 9 bilhões. Esse incremento comercial é visto como resultado da completa desgravação tarifária entre os dois países, promovida pelo Acordo de Complementação Econômica No. 35, e do Acordo de Serviços assinado entre o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e o Chile, que possibilitou uma maior presença de empresas chilenas no Brasil e brasileiras no Chile.

 

Também, espera-se que o acordo entre os dois países influencie positivamente o processo de aproximação e integração entre Mercosul e Aliança do Pacífico. Para o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Armando Monteiro, “uma maior integração entre o Mercosul e a Aliança do Pacífico poderá fortalecer a nossa posição no comércio mundial e garantir uma inserção mais qualificada nas cadeias regionais e globais de valor”.

 

Tanto o acordo assinado com os Estados Unidos na semana anterior como o ACFI com o Chile foram concretizados em um contexto no qual a Organização Mundial do Comércio (OMC) tem questionado a adoção de medidas protecionistas e liberalizantes e compelido os líderes do G-20 a "dar exemplo" e "eliminar restrições ao comércio". De acordo com o informe da OMC, desde a crise econômica de 2008, foram criadas 1,4 mil barreiras pelos países do G-20 e somente 354 retiradas – ou seja, 75% das barreiras continuam em vigor. O documento destaca que o Brasil voltou a figurar entre as economias que mais aplicaram barreiras comerciais: entre maio e outubro de 2015, Brasil e Estados Unidos criaram 9 barreiras, sendo que o Brasil adotou, paralelamente, 11 medidas liberalizantes.

 

Ainda, os dois acordos estão em linha com as ambições do Plano Nacional de Exportações (PNE) em matéria de acesso a mercado. O PNE coloca como metas específicas a “conclusão de Acordos de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFIs) com países da África e América Latina; o fortalecimento dos mecanismos bilaterais de comércio e investimento; a estruturação de um sistema para receber do setor privado e tratar barreiras comerciais; e o apoio à internacionalização de empresas – sobretudo com a criação de uma instância de interlocução entre governo e setor privado” (ver Pontes, v. 11, n. 7).

 

O ACFI foi assinado durante um Seminário Empresarial promovido pelo MDIC, em cooperação com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e os ministérios chilenos de Relações Exteriores e de Comércio Exterior. O evento reuniu representantes de empresas dos setores aeronáutico, software, máquinas e equipamentos, livraria e panificação.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

MDIC. Brasil e Chile assinam Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos. (23/11/2015). Acesso em: 26 nov. 2015.

 

Veja. Brasil cria uma medida protecionista a cada 17 dias, diz OMC. (03/11/2015). Acesso em: 26 nov. 2015.

15 Junho 2016
Este artigo analisa as barreiras à exportação agrícola na Argentina e discute o impacto de sua eliminação, empreendida no início da gestão de Mauricio Macri. Com isso, o autor busca ilustrar os desafios a serem enfrentados pela nova administração.
Share: 
15 Junho 2016
Diante do provável desfecho próximo de duas disputas iniciadas contra instrumentos de política industrial adotados pelo Brasil, este artigo analisa lições que podem ser extraídas de tais contenciosos no que diz respeito às políticas comercial e industrial brasileiras.
Share: