CAMEX reduz a zero tarifa sobre carros elétricos

29 Outubro 2015

A Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) do Brasil reduziu de 35% para zero o Imposto de Importação sobre carros elétricos (carregados na tomada). Publicada no Diário Oficial da União em 27 de outubro e com vigência imediata, a decisão implica a incorporação desse tipo de veículo à lista de exceções da Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercado Comum do Sul (Mercosul). Ao beneficiar tecnologia que transforma hidrogênio em energia, a medida busca estimular o consumo de veículos menos poluentes no Brasil.

 

De acordo com a CAMEX, “tais medidas estão alinhadas à política de fomento para novas tecnologias de propulsão e atração de novos investimentos para produção nacional desses veículos”. Por meio da Resolução CAMEX No. 97/2015, veículos de propulsão elétrica ou movidos a hidrogênio montados, semidesmontados ou totalmente desmontados de qualquer modelo serão beneficiados com a isenção. Para tal, basta que os motores dos veículos cumpram a exigência de permitir uma autonomia mínima de 80 quilômetros.

 

Nesse sentido, a expectativa da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA) é de que 1.000 veículos elétricos sejam emplacados em 2015 – um grande avanço, se considerada a frota brasileira de veículos elétricos e híbridos: 3.000 unidades.

 

A Resolução da CAMEX contempla, ainda, reduções tarifárias significativas para os veículos híbridos que combinam motor convencional e motor elétrico (com recarga externa ou não). As novas tarifas para esse modelo variam entre 2% e 7%, sendo as tarifas mais baixas para veículos com maior eficiência energética. Os carros híbridos também podem ser isentos da tarifa se forem importados desmontados, de modo a estimular a consolidação de linhas de montagem em território brasileiro.

 

A redução da tarifa pode criar uma sinergia com o lançamento do primeiro microautomóvel elétrico produzido na Argentina – o único modelo produzido em série no Mercosul – se o modelo for produzido para a autonomia mínima exigida pela CAMEX. O modelo lançado alcança uma autonomia menor, mas esta poderia ser ampliada por meio da alteração no tipo de bateria. Espera-se que sejam produzidas 20 unidades do modelo argentino em 2015 e que a produção anual seja de 500 unidades nos próximos anos. Da mesma forma, a expectativa é de que as vendas mundiais de carros elétricos cresçam em torno de 10 vezes até 2023, chegando em torno de 160 mil veículos.

 

O maior aumento das vendas deve ocorrer na região do Pacífico, apesar dos receios quanto à recarga dos veículos. Europa e Japão serão os destinos com maior penetração dos veículos elétricos ou híbridos. Os Estados Unidos, por sua vez, têm mantido os subsídios para o desenvolvimento de tecnologia voltada à produção de carros elétricos, e a indústria estadunidense espera aumentar sua produção para milhões de unidades até 2025. O aumento nas vendas será possível graças aos avanços tecnológicos e ao corte de custos na fabricação dos veículos.

 

No Brasil, todavia, existem diversos desafios, como a ausência de uma rede nacional de estações de recarga e o valor do automóvel, que ainda é pouco atrativo no país.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

G1. Governo zera imposto de importação para carro elétrico e a hidrogênio. (27/10/2015). Acesso em: 28 out. 2015.

 

UOL. Carro elétrico se livra do Imposto de Importação a partir desta terça. (27/10/2015). Acesso em: 28 out. 2015.

19 Dezembro 2016
O crescente papel da China como investidora no exterior pode ter um efeito transformador para os países da África. No entanto, isso dependerá de como os destinatários dos investimentos chineses utilizarão esses fluxos para seu próprio desenvolvimento sustentável.
Share: 
19 Dezembro 2016
Neste artigo, os autores interpretam as regras que pautam a atribuição do status de economia de mercado no âmbito da OMC, nos Estados Unidos e na UE e discutem as políticas comerciais dessas potências comerciais em relação à China nessa matéria.
Share: