Decifrando a China

19 Dezembro 2016

É inquestionável o avanço econômico da China desde que Deng Xiaoping liderou um processo de reformas nas instituições do país. Entre 1978 e 2005, o produto interno bruto (PIB) per capita da China cresceu cerca de dez vezes. Menos óbvia é a natureza de tais transformações. Acostumados a enxergar a sociedade chinesa com lentes ocidentais, frequentemente temos dificuldade em interpretar a natureza das políticas propostas por Beijing. Serão uma afronta à ideia de "livre comércio", esse poderoso discurso que, embora frequentemente distorcido pelo mundo desenvolvido, ainda guia nossos esforços na arena multilateral?

 

Com a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, cresce a importância de um entendimento do modelo chinês. Desfocadas as lentes que permitiram a criação de uma ordem relativamente estável desde o fim da Segunda Guerra Mundial, é provável que o "intervencionismo" da China seja acompanhado de outras categorias de "nacionalismo" econômico. Ao lutarem pela consolidação de definições específicas para os modelos em voga, os chamados países desenvolvidos conviverão com um gigante com mais de 1 bilhão de habitantes e um interesse crescente em influenciar os rumos do sistema internacional. Poderá Beijing imprimir sua própria interpretação de noções fundamentais que orientarão o futuro da interdependência entre Estados soberanos?  

 

Em grande medida, tal batalha semântica já vem ocorrendo – e seus efeitos concretos já são observados. O presente número do Pontes traz a você, prezado(a) leitor(a), artigos que discutem a complexa tarefa de alinhamento entre o modelo econômico da China e a ideia de "economia de mercado" por trás da existência da Organização Mundial do Comércio (OMC). Ademais, discute como as regras do sistema multilateral de comércio influenciam a política industrial de seus integrantes, em um intrincado cenário marcado por múltiplas ações e reações.    

 

Ao longo de 2016, buscamos oferecer contribuições que lhes permitissem refletir sobre o futuro da governança em comércio e desenvolvimento sustentável. Diante da relevância de sua opinião para o êxito dessa empreitada, gostaríamos de pedir a você, prezado(a) leitor(a), que avalie nosso trabalho. Nos próximos dias, uma pesquisa de opinião será enviada a seu e-mail. Da mesma maneira, tanto o site quanto o e-mail do Pontes estão abertos a comentários e sugestões. Agradecemos enormemente a companhia e a predisposição ao debate, hoje e sempre.

 

Esperamos que aprecie a leitura.

 

A Equipe Pontes

This article is published under
22 Maio 2017
Ao analisar o impacto da integração da América Latina às cadeias globais de valor sobre a competitividade das empresas da região, os autores argumentam que a harmonização de determinadas regras e medidas e a implementação total do TFA são cruciais nesse processo, na medida em que permitem reduzir substancialmente os custos de comércio.
Share: 
22 Maio 2017
Em um cenário de baixo crescimento da economia e do comércio global, a OMC comemora a entrada em vigor do primeiro acordo multilateral desde a criação da Organização. Em meio ao entusiasmo com essa vitória importante, a OMC enfrentará os desafios dos discursos sobre protecionismo e “desglobalização”, atualmente liderados por Donald Trump.
Share: