Em defesa do livre comércio?

18 Outubro 2016

Em meio a protestos contra a violência policial e a insatisfações com os rumos da economia, os Estados Unidos escolherão um novo presidente em 8 de novembro. Contabilizados os votos, seguirá a busca por unidade em diversas esferas da política pública – entre elas, a comercial. Mesmo um voto pela manutenção do Partido Democrata na Casa Branca implicará novas diretrizes nessa seara.

 

Enquanto os eleitores estadunidenses definem o futuro, o mundo aguarda ansioso. Devido à sua dimensão, a economia dos Estados Unidos emitirá poderosos incentivos tão logo o resultado seja anunciado. Antes de tudo, uma concepção de ordem moldada em Washington sustenta os atuais padrões de competição e cooperação no sistema internacional. Logo, uma ruptura com concepções até então predominantes significaria o esvaziamento de boa parte das instituições que atualmente facilitam o diálogo entre Estados.

 

Na área comercial, a crença na necessidade de avanços constantes potencializa a incerteza. Como oferecer resultados quando a interpretação de "êxito" está em processo de mutação? Vivemos tempos em que a precariedade da via multilateral se soma às críticas em direção a alternativas como os acordos bilaterais e megarregionais. Desprovidos de parâmetros, é considerável o espaço para revisionismos e, dentro desse quadro, para a "criatividade". Levará algum tempo até que analistas possam identificar a real consequência do crescimento da aversão à liberalização comercial nos Estados Unidos. De qualquer maneira, a atual campanha eleitorial estadunidense ilustra verdadeiros experimentos retóricos.

 

O presente número do Pontes oferece a você, prezado(a) leitor(a), uma discussão sobre a influência das eleições estadunidenses no futuro do comércio internacional. Nas páginas a seguir, apresentamos reflexões sobre a natureza das relações bilaterais entre a Casa Branca e países emergentes como Brasil, China e México. Ademais, publicamos contribuições que ajudam a desvendar dois aspectos fundamentais da atual política comercial dos Estados Unidos: i) os mecanismos pelos quais produtores agrícolas influenciam as posições adotadas por Washington; e ii) os efeitos trazidos pelo Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, sigla em inglês).

 

Conscientes da importância de nossos(as) leitores(as) para o sucesso do Pontes, renovamos o convite à participação. Deixando sua opinião em nosso site ou escrevendo um e-mail à nossa equipe, você nos ajudará a seguir publicando um conteúdo alinhado com seus interesses.

 

Esperamos que aprecie a leitura.

 

A Equipe Pontes

This article is published under
22 Maio 2017
Ao analisar o impacto da integração da América Latina às cadeias globais de valor sobre a competitividade das empresas da região, os autores argumentam que a harmonização de determinadas regras e medidas e a implementação total do TFA são cruciais nesse processo, na medida em que permitem reduzir substancialmente os custos de comércio.
Share: 
22 Maio 2017
Em um cenário de baixo crescimento da economia e do comércio global, a OMC comemora a entrada em vigor do primeiro acordo multilateral desde a criação da Organização. Em meio ao entusiasmo com essa vitória importante, a OMC enfrentará os desafios dos discursos sobre protecionismo e “desglobalização”, atualmente liderados por Donald Trump.
Share: