Enredados?

17 Agosto 2016

Levará algum tempo até que os analistas possam determinar o impacto trazido pela chamada "era da informação". Embora os arautos do desenvolvimento tecnológico se esforcem em enaltecer as conquistas da nova ordem, pouco sabemos sobre o real alcance das mudanças em curso. Tampouco podemos explicar como a introdução de aparelhos destinados a reduzir a incerteza tem contribuído para a formação de um cenário marcado por uma considerável ansiedade social.

 

De fato, os efeitos sobre nossas rotinas não se limitam a uma comparação entre os volumes de informação processados em distintas épocas históricas. Ao aprofundarem a interdependência humana, os avanços das últimas décadas contribuem para transformar a natureza de tais conexões. Assim, avaliar o significado da "era da informação" exige um olhar que vá além dos avanços tecnológicos.

 

Evidentemente, inovação alguma é benéfica ou maléfica por natureza. Caso queiramos entender os efeitos dos computadores pessoais, da Internet ou dos telefones celulares sobre nossas vidas, faz-se necessário entender como reagimos às mudanças com ferramentas mais antigas. Por exemplo: somos capazes de adaptar instituições criadas em outras épocas aos desafios trazidos pela interdependência crescente? Devemos reinterpretar velhos princípios de modo a acomodar as transformações propostas pelos empreendedores do século XXI?

 

Este número do Pontes oferece a você, prezado(a) leitor(a), textos que discutem o impacto da "era da informação" sobre o comércio internacional. Embora a tecnologia da informação e comunicação seja um elemento potencialmente transformador dos intercâmbios transfronteiriços de bens e serviços, os traços desse processo dependerão das tais "velhas ferramentas" mencionadas acima. Mais especificamente, questões como a interpretação de termos como "privacidade", ou o progressivo refinamento da lógica para o fluxo de dados, trarão efeitos tão decisivos para o futuro do comércio quanto as últimas novidades anunciadas no Vale do Silício.

 

Inúmeras oportunidades são abertas após a consolidação de um avanço tecnológico. Contudo, nem todos têm ganhado com isso. Da mesma forma, efeitos colaterais afetam até mesmo os beneficiários da nova ordem. Por isso, o debate é fundamental diante de mudanças tão rápidas e dramáticas. Caso sejamos incapazes de conhecer as opiniões de todos os grupos com algum interesse em cada um dos temas polêmicos da atualidade, corremos o risco de gerar efeitos indesejados de considerável magnitude. Nesse sentido, o Pontes reafirma sua missão de promotor do diálogo. Gostaríamos de convidá-lo(a) a participar da conversa, deixando sua opinião em nosso site ou escrevendo um e-mail à nossa equipe.

 

Esperamos que aprecie a leitura.

 

A Equipe Pontes

This article is published under
17 Agosto 2016
Neste artigo, o autor analisa o histórico das negociações sobre comércio eletrônico no âmbito da OMC e compara esse processo com aquele observado em outras instâncias. À luz desse quadro, o autor discute os principais desafios ao avanço das tratativas nesse tema.
Share: 
17 Agosto 2016
O Senado brasileiro aprovou, em 11 de agosto, o decreto-legislativo que valida a adesão brasileira ao Acordo de Paris, negociado em dezembro de 2015, na 21ª Conferência das Partes (COP 21, sigla em...
Share: