Mercados de Canadá e Estados Unidos são abertos para alguns produtos brasileiros

3 Agosto 2016

Em visita à América do Norte na última semana de julho, a delegação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) conseguiu a liberalização da exportação para o Canadá de gelatina e de alimentos para animais domésticos. A visita também colocou fim aos 17 anos de tratativas com os Estados Unidos, ao resultar na abertura deste mercado para a carne bovina in natura produzida no Brasil. A liberalização do mercado canadense para as carnes bovina e suína in natura ainda está sendo negociada.

 

Tais resultados foram obtidos em 25 e 26 de julho, durante a 8ª Reunião do Comitê Consultivo Agrícola (CCA) Brasil-Canadá. Nessa ocasião, além de solicitar a abertura do mercado de carnes bovina e suína in natura, a delegação do Brasil pediu o apoio canadense a Guilherme Costa, funcionário do MAPA, que concorre à Presidência da Comissão do Codex Alimentarius. O Canadá, por sua vez, mostrou interesse na venda de bovinos vivos, sêmen e embrião de ovinos e caprinos.

 

Como resultados, foram criadas missões canadenses para a realização de auditorias em frigoríficos de carne bovina e suína no Brasil e foram definidos os controles oficiais para a exportação de carne de frango. Também foi liberada a exportação de gelatina e de alimentos para animais domésticos brasileiros para o Canadá. Ainda, foi discutida a cooperação técnica entre os dois países, bem como o alinhamento para negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC) e outros fóruns internacionais.

 

Em seguida, a delegação brasileira participou de encontro do CCA Brasil-Estados Unidos, em Washington. Nessa ocasião, o ministro do MAPA, Blairo Maggi, negociou a liberação do comércio de carne bovina in natura entre os dois mercados. Desde 1999, quando foram iniciadas as tratativas, diversos setores no Brasil pressionavam pela conclusão das negociações – com destaque para o MAPA, o Itamaraty e os produtores de carne bovina. A expectativa é que as exportações gerem US$ 900 milhões e que comecem em 90 dias, após a conclusão dos trâmites administrativos.

 

Além do potencial do mercado estadunidense, a conclusão da negociação é importante para o Brasil, pois o reconhecimento estadunidense da qualidade do sistema sanitário e da carne produzida no país poderá servir de referência a outros importadores de carne bovina in natura.

 

Por fim, Blairo Maggi e a embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Liliana Ayalde, reuniram-se em 1º de agosto, em Brasília, para oficializar a troca de cartas de reconhecimento de equivalência dos controles oficiais de carne bovina entre os dois países. O acordo prevê que o Brasil integrará a cota da América Central de 64,8 mil toneladas anuais, cuja tarifa de exportação é de 4% ou 10%, conforme o tipo de corte da carne. Caso a cota seja extrapolada, o produtor pagará uma tarifa de 26,4% sobre o valor vendido aos Estados Unidos.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

G1. Acordo com EUA deve abrir mercados para carne brasileira, diz Temer. (01/08/2016). Acesso em: 01 ago. 2016.

 

MAPA. Brasil e Canadá debatem agenda bilateral do agronegócio, em Ottawa. (25/07/2016). Acesso em: 01 ago. 2016.

 

______. Brasil e EUA concluem negociação para comércio de carne bovina in natura. (29/07/2016). Acesso em: 01 ago. 2016.

 

______. Brasil já pode vender ao Canadá alimentos para animais domésticos. (26/07/2016). Acesso em: 01 ago. 2016.

19 Dezembro 2016
O crescente papel da China como investidora no exterior pode ter um efeito transformador para os países da África. No entanto, isso dependerá de como os destinatários dos investimentos chineses utilizarão esses fluxos para seu próprio desenvolvimento sustentável.
Share: 
19 Dezembro 2016
Neste artigo, os autores interpretam as regras que pautam a atribuição do status de economia de mercado no âmbito da OMC, nos Estados Unidos e na UE e discutem as políticas comerciais dessas potências comerciais em relação à China nessa matéria.
Share: