Trump ameaça abandonar a OMC caso seja eleito presidente dos Estados Unidos

28 Julho 2016

Recentemente, o candidato à Presidência dos Estados Unidos pelo Partido Republicano, Donald Trump, ameaçou pedir a saída do país da Organização Mundial do Comércio (OMC) caso vença as eleições. As declarações não soaram como parte de uma estratégia de longo prazo do empresário: a posição foi uma reação a uma observação feita pelo entrevistador, que questionou a habilidade do governo estadunidense de punir empresas que decidissem transferir a produção para outros países. Ainda assim, o discurso motivou críticas em diversas frentes.

 

Embora tenha evitado questionar diretamente as declarações de Trump, o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, demonstrou preocupação quanto ao avanço do discurso anti-livre comércio nos países desenvolvidos. Em entrevista à imprensa dos Estados Unidos, o diplomata brasileiro associou o lento crescimento da economia mundial à dificuldade de concretização de uma agenda multilateral mais ambiciosa (ver Boletim de Notícias Pontes). Ainda, Azevêdo considera que o grau de interdependência bilateral torna "inevitáveis" os atritos entre Estados Unidos e China. Em sua opinião, a questão fundamental é como administrar tais desentendimentos, algo facilitado pela existência da OMC.  

 

Em Washington, membros destacados do Partido Republicano sublinharam a importância do sistema multilateral de comércio para a política externa dos Estados Unidos. A OMC foi defendida por Paul Ryan, cujo apoio a Trump ocorreu após semanas de reticências. Outro congressista ligado ao partido, Kevin Brady, enfatizou que a Organização é essencial para garantir a competitividade dos produtos estadunidenses no mundo.

 

Mesmo grupos críticos à liberalização comercial distanciaram-se das declarações do candidato do Partido Republicano (ver Boletim de Notícias Pontes). Exemplo é encontrado na principal federação de sindicatos do país, a Federação Estadunidense do Trabalho e Congresso de Organizações Industriais (AFL-CIO, sigla em inglês). Segundo Thea Lee, integrante do gabinete da organização, "a ideia de que, de alguma maneira, Trump defende o comércio justo ou políticas favoráveis aos trabalhadores é absurda". Em sua visão, críticas à OMC não deveriam ser confundidas com a defesa do fim de um sistema multilateral baseado em regras estáveis, ou a sua substituição por uma lógica baseada "nas opiniões de Trump".

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

CNBC. After Trump speech, WTO chief says protectionist language poses risk to trade. (22/07/2016). Acesso em: 27 jul. 2016.

 

Político. GOP leaders defend WTO after Trump threatens U.S. exit. (25/07/2016). Acesso em: 27 jul. 2016.

 

Reuters. WTO chief won't debate Trump, but rallies support for trade. (27/07/2016). Acesso em: 27 jul. 2016.

19 Dezembro 2016
O crescente papel da China como investidora no exterior pode ter um efeito transformador para os países da África. No entanto, isso dependerá de como os destinatários dos investimentos chineses utilizarão esses fluxos para seu próprio desenvolvimento sustentável.
Share: 
19 Dezembro 2016
Neste artigo, os autores interpretam as regras que pautam a atribuição do status de economia de mercado no âmbito da OMC, nos Estados Unidos e na UE e discutem as políticas comerciais dessas potências comerciais em relação à China nessa matéria.
Share: