Trump quer renegociação do NAFTA e saída da TPP no início de seu mandato

29 Novembro 2016

Entre as diversas promessas de campanha de Donald Trump, candidato eleito à Presidência dos Estados Unidos, estavam as propostas de retirar os Estados Unidos da Parceria Transpacífica (TPP, sigla em inglês) e de renegociar completamente ou sair do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, sigla em inglês) (ver Pontes, vol. 12, n. 08). Recentemente, Trump manteve sua posição com relação à TPP e mostrou-se mais disposto a renegociar o NAFTA.

 

Durante a campanha, Trump atacou constantemente a estratégia comercial promovida por Barack Obama, alegando que os Estados Unidos estão sendo “passados para trás” por seus principais sócios. Enquanto candidato, Trump ameaçou pedir a saída do país da Organização Mundial do Comércio (OMC), criticou a TPP e o NAFTA e acusou a China de manipular sua moeda.

 

Em vídeo divulgado por Trump em 21 de novembro, o presidente eleito anunciou seis medidas essenciais para colocar a “América em primeiro lugar”. Trump afirmou que, em seu primeiro dia como presidente, retirará os Estados Unidos da TPP, pois acredita que o acordo é um potencial desastre para o país. No lugar do acordo, Trump pretende negociar acordos bilaterais com os parceiros transpacíficos e, com isso, levar as indústrias a voltarem aos Estados Unidos, gerando empregos.

 

A TPP foi assinada em fevereiro de 2016. Agora, é necessário que ao menos seis países – que representem, juntos, 85% do produto interno bruto (PIB) do grupo – ratifiquem a TPP para que esta entre em vigor. Em resposta a Trump, o governo japonês alegou que buscará a ratificação por todos os envolvidos. Já o governo chinês, excluído das negociações da TPP, deseja concluir o mais rápido possível a Parceria Econômica Regional Abrangente (RCEP, sigla em inglês) (ver Pontes, vol. 10, n. 07). São membros da RCEP: Austrália, Brunei, Camboja, China, Cingapura, Coreia do Sul, Filipinas, Índia, Indonésia, Japão, Laos, Mianmar, Malásia, Nova Zelândia, Tailândia e Vietnã.

 

Embora o NAFTA não tenha sido citado no vídeo, Trump tem se mostrado mais disposto a realizar mudanças expressivas no acordo, ao invés de encerrá-lo. O presidente eleito ainda não divulgou um modelo concreto, mas suas declarações apontam para tarifas mais altas para reduzir o déficit comercial estadunidense com o México – que, em 2015, cresceu 9,5%, alcançando US$ 60,7 bilhões.

 

Também podem estar entre as medidas, novos impostos para empresas estadunidenses que transferirem sua produção para o México e até a remoção da possibilidade de empresas mexicanas e canadenses desafiarem as regulações estadunidenses fora dos tribunais. Tanto o Canadá quanto o México estão dispostos a atualizar o tratado, mas este último país deseja incluir novos temas e está reticente quanto a revisar tarifas.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

Agência Estadão. Japão promete buscar ratificação da TPP, apesar de fala de Trump. (22/11/2016). Acesso em: 23/11/2016.

 

BBC Brasil. Polêmicas sobre comércio e clima: as 6 medidas que Trump anunciou para seus 100 primeiros dias de governo. (22/11/2016). Acesso em: 23/11/2016.

 

Isto É. Trump vai retirar EUA do TPP no primeiro dia de seu mandato. (22/11/2016). Acesso em: 23/11/2016.

 

The Wall Street Journal. Trump deve pressionar México em revisão do Nafta. (23/11/2016). Acesso em: 23/11/2016.

22 Maio 2017
Mal celebrada uma importante conquista, a incerteza está de volta à Organização Mundial do Comércio (OMC). Afinal, a entrada em vigor do Acordo de Facilitação do Comércio (TFA, sigla em inglês)...
Share: 
24 Maio 2017
Na semana passada, o presidente argentino Mauricio Macri visitou os Emirados Árabes, China e Japão. Macri foi seguido pela chanceler Susana Malcorra e por um grupo de empresários argentinos e voltou...
Share: