Agricultores europeus reagem à possibilidade de um acordo entre Mercosul e UE

29 Janeiro 2016

Reunidos com funcionários da Comissão Europeia, representantes dos agricultores e cooperativas alertaram para os “efeitos catastróficos” de um acordo comercial entre o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e a União Europeia (UE). Segundo nota divulgada pelo Comitê das Organizações Profissionais Agrárias (COPA, sigla em francês) e pela Confederação Geral de Cooperativas Agrárias da União Europeia (COGECA, sigla em francês), os produtores de carne seriam os principais afetados por um aumento das importações provenientes da América do Sul.

 

Buscando persuadir Bruxelas a protelar um acordo com o Mercosul, o chefe do Grupo de Trabalho sobre Carne Bovina da COPA-COGECA, Jean Pierre Fleury, enfatizou a fragilidade do setor na Europa. Em suas palavras, os agricultores europeus já possuem uma renda média equivalente à metade da média do bloco, sendo a pecuária um dos setores com menores ingressos. Nesse sentido, argumenta Fleury, os produtores do continente necessitam de “uma estratégia dinâmica para aumentar as exportações”, além de precisarem buscar soluções em um mundo marcado pelas barreiras impostas por outros mercados. Entre as sugestões levantadas pela COPA-COGECA está um maior envolvimento do Banco Europeu de Investimentos no auxílio à atividade.

 

A COPA-COGECA teme não apenas o aumento das importações provenientes do Mercosul, como também suas características. Fleury lembrou que os produtores sul-americanos forneceriam carnes que competiriam nos filões mais lucrativos do mercado europeu de carnes, afetando ainda mais a renda dos pecuaristas daquele bloco. Devido ao alto grau de especialização, a abertura à concorrência externa poderia levar a um “colapso total” do setor, acarretando custos de até US$ 27 bilhões – argumenta Fleury.

 

A oposição da COPA-COGECA à abertura do mercado agropecuário da UE não constitui o primeiro sinal de descontentamento com um eventual acordo com o Mercosul. Após a vitória de Mauricio Macri nas eleições presidenciais da Argentina e suas declarações de que a retomada do diálogo com os europeus é uma prioridade (ver Boletim de Notícias Pontes), a pressão só aumentou. Ainda em dezembro de 2015, representantes da indústria de carnes da Irlanda mostraram irritação com o uso da agricultura como item de barganha nas negociações. Responsáveis por exportações anuais de mais de € 3,5 bilhões, os avicultores e suinocultores irlandeses temem a concorrência de seus colegas sul-americanos.  

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

El Observador. Productores europeos en alerta por el Mercosur. (27/01/2016). Acesso em: 28 jan. 2016.

 

InfoCampo. Alerta en el mercado cárnico de la UE por posible tratado de libre comercio con Mercosur. (27/01/2016). Acesso em: 28 jan. 2016.

 

The Independent. EU trade deal will hit beef sector. (09/12/2015). Acesso em: 28 jan. 2016.

3 Agosto 2017
Em 29 de julho, ocorreu em Hangzhou (China) o segundo encontro dos ministros da Indústria do BRICS, grupo que reúne Brasil, Rússia, China e África do Sul. Logo em seguida, a cidade de Xangai abrigou...
Share: 
10 Agosto 2017
Em 7 de agosto, um representante da China lotado em Montevidéu afirmou que seu país tem interesse em um tratado de livre comércio (TLC) com o Uruguai e o Mercado Comum do Sul (Mercosul). No dia...
Share: