Aliança do Pacífico finaliza primeira rodada para incorporação de novos membros

1 Novembro 2017

Os países que integram a Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, México e Peru) finalizaram, em 27 de outubro, a primeira rodada de negociações em Cali (Colômbia) para decidir a incorporação de Austrália, Canadá, Nova Zelândia e Cingapura como Estados Associados. Nessa primeira rodada, 23 mesas de trabalho avançaram nas negociações sobre regras de origem, comércio transfronteiriço de serviços, compras governamentais e, igualmente, revisaram um possível calendário de datas e sedes para as próximas reuniões.

 

Durante essa rodada, os delegados da Aliança e os membros das delegações dos outros quatro países também apresentaram suas propostas de textos para um Protocolo Comercial, que serve de base para o processo de associação de novos membros. Da mesma forma, Austrália, Canadá, Nova Zelândia e Cingapura manifestaram suas respectivas observações quanto ao conteúdo dos textos propostos pelos países da Aliança, de modo a continuar avançando em sua incorporação ao bloco.

 

A figura de Estado Associado foi criada há quatro meses com o objetivo de incrementar o fluxo comercial na região e realizar um esforço para minimizar as medidas protecionistas de alguns países do bloco. Em conformidade com os alinhamentos previstos para a Aliança, um país pode converter-se em Estado Associado por convite ou por iniciativa do país interessado, desde que haja o interesse em negociar, no curto prazo, um acordo sobre comércio de bens, serviços e investimentos.

 

De acordo com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, a categoria de Estado Associado foi criada para os países com os quais a Aliança do Pacífico quer subscrever um acordo econômico-comercial que colabore com o objetivo de consolidar o desenvolvimento do bloco. No entanto, os novos países incorporados não formariam parte da Aliança do Pacífico como tal, mas teriam uma condição intermediária às 52 nações observadoras, uma vez que, para ser membro efetivo do bloco, é necessário possuir um acordo de livre comércio com os quatro países que formam a Aliança.

 

Para o bloco, essa negociação representa um avanço no cumprimento de um dos objetivos fundamentais de se converter em uma plataforma de integração econômica e comercial de projeção mundial, com especial ênfase na região da Ásia Pacifico, que é considerada a região mais dinâmica do mundo.

 

Reportagem ICTSD

 

Fontes consultadas:

 

El Espectador. Listo el protocolo para las negociaciones de la Alianza del Pacifico. (28/10/2017). Acesso em: 28/10/2017.

 

______. Finaliza primera ronda de negociación entre la Alianza del Pacífico y Australia, Canadá, Nueva Zelanda y Singapur. (27/10/2017). Acesso em: 28/10/2017.

 

Vanguardia. Alianza del Pacífico busca acuerdos con Asia Pacífico. (23/10/2017). Acesso: 28/10/2017.

27 Outubro 2017
O Departamento de Comércio dos Estados Unidos decidiu, em 23 de outubro, impor tarifas antidumping entre 54% e 70% ao biodiesel argentino. Segundo as investigações empreendidas pela referida agência...
Share: 
5 Novembro 2017
A poucos dias do início da 23ª Conferência das Partes (COP 23, sigla em inglês) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, sigla em inglês), o Brasil prepara-se para...
Share: