Apesar dos poucos avanços, Mercosul e UE buscam saídas para concluir acordo em 2018

19 Julho 2018

Com o objetivo de encerrar as negociações comerciais de quase duas décadas, as equipes técnicas dos países do Mercado Comum do Sul (Mercosul) e da União Europeia (UE) reuniram-se, de 9 a 13 de julho, em Bruxelas (Bélgica). A nova rodada de negociações apresentou poucos avanços nos sete temas identificados em dezembro de 2016 como prioritários para ambos os blocos: automóveis, peças de veículos, regras de origem, licitações, serviços marítimos, produtos lácteos e indicações geográficas.

 

Após uma reunião de avaliação realizada com os ministros dos 28 países membros do bloco europeu, Phil Hogan, comissário de Agricultura da UE, expressou insatisfação com os avanços nos diálogos entre os blocos e descartou ter alcançado um acordo definitivo entre Mercosul e UE. Para algumas partes interessadas na Europa, a falta de progressos deve-se ao calendário das eleições presidenciais no Brasil e à indisposição deste país a abrir determinados mercados à UE.

 

A estagnação das tratativas entre Mercosul e UE tem sido objeto de preocupação por parte de empresas europeias. Em carta enviada na semana passada pelo chefe da BusinessEurope, Pierre Gattaz, ao presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o setor privado europeu pediu que a UE acelere as negociações comerciais com o bloco sul-americano caso não se chegue a um acordo nos próximos meses. Na carta, a BusinessEurope também manifesta preocupação com o início da campanha para as eleições presidenciais no Brasil.

 

Além disso, o setor privado europeu destacou, em seu comunicado, os esforços realizados por empresas e formuladores de políticas para manter viva uma agenda de acordos multilaterais de livre comércio em um momento em que os Estados Unidos têm se tornado mais protecionistas, aumentando as tensões comerciais com seus aliados e com a China.

 

Já Federica Mogherini, na abertura da Cúpula entre a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) e a UE, optou por encorajar as partes para que concluam as negociações. A chefe de Diplomacia da UE pediu que ambos os blocos aproveitem a "oportunidade histórica" de finalizar um acordo que vem sendo negociado há 18 anos.

 

Mogherini também ressaltou que as tratativas com o Mercosul se inserem em um contexto mais amplo, no qual a UE tem buscado atualizar acordos comerciais com países da América Latina, como Chile e México. Com isso, o bloco europeu busca "ampliar seus benefícios para mais pessoas e particularmente para as pequenas e médias empresas (PMEs)" e cooperar mais em questões que vão além da agenda comercial.

 

Diante das diferentes visões e da dificuldade de fechar acordos entre os grupos técnicos na semana passada, os ministros das Relações Exteriores do Mercosul participaram de reunião em Bruxelas com a comissária de Comércio, Cecilia Malmström, paralelamente à Cúpula Ministerial CELAC-UE.

 

Reportagem ICSTD

 

Fontes consultadas:

 

El Economista. Mogherini pide aprovechar la "oportunidad histórica" del acuerdo UE-Mercosur. (16/07/2018). Acesso em: 17/07/2018.

 

Exame.  UE está insatisfeita com o progesso do acordo comercial com o Mercosul. (16/07/2018). Acesso em: 17/07/2018.

15 Julho 2018
Para alcançar um desenvolvimento competitivo no setor marítimo e portuário, a América Latina precisa investir cerca de US$ 55 bilhões nas próximas duas décadas. Esta é a mensagem central do relatório...
Share: 
20 Julho 2018
A Câmara de Comércio Exterior do Brasil (CAMEX) anunciou, em 17 de julho, a realização de estudos para avaliar a solidez jurídica de questionamentos feitos pela China junto à Organização Mundial do...
Share: