As fraquezas da carne

18 Julho 2017

O setor da carne bovina representa como poucos as contradições do Brasil. Usado costumeiramente para exemplificar nossas vantagens comparativas, foi também o receptor de vultosos investimentos públicos que o transformaram significativamente. Impulsionado pela visão de líderes pertencentes aos diversos elos da cadeia agroindustrial, o setor sofre com as acusações de praticar uma forma de empreendedorismo extrativista tão comum em países em desenvolvimento. Referência na pauta nacional de exportações, tornou-se um motivo de preocupação não apenas para especialistas dedicados à análise dos padrões de comércio exterior, como também para milhões de consumidores – e cidadãos – brasileiros.

 

Por isso, os últimos acontecimentos no setor nos permitem debater a natureza da inserção comercial do Brasil nos dias atuais. Vencida a etapa de autoestima e ambições elevadas que caracterizou a década passada, faz-se necessário evitar conclusões maniqueístas. Seja por suas fortalezas ou fraquezas, o exemplo da carne bovina ilustra os consideráveis desafios adiante.

 

Embora o país tenha conquistado uma posição privilegiada no mercado internacional, o que está em discussão é um modelo de sociedade. Afinal, a construção de um complexo institucional capaz de tranquilizar os milhões de compradores da carne brasileira ao redor do mundo somente será efetivo caso incorpore entre suas prioridades o respeito aos direitos básicos dos cidadãos de nosso país.

 

O presente número do Pontes oferece a você, prezado(a) leitor(a), artigos que refletem sobre o significado dos escândalos recentes no setor da carne bovina brasileira. A seguir, especialistas de reconhecida trajetória discutirão uma série de desdobramentos do caso, demonstrando as implicações da atual polêmica para o comércio e política industrial do Brasil.

 

Ademais, duas contribuições abordam as conquistas e reveses de nossos vizinhos no Cone Sul. Menos de duas décadas atrás, Argentina e Uruguai tiveram que lidar com o desafio da febre aftosa. Além de fechar mercados, o caso levantou suspeitas sobre a capacidade de ambos os países de estabelecer um conjunto de regras capaz de transmitir confiança aos compradores internacionais. Dessa maneira, podemos aprender com sua trajetória de recuperação – e as muitas dificuldades enfrentadas pelo caminho.   

 

As páginas que seguem são apenas uma inspiração para o debate. Sendo assim, reforçamos o convite. Deixando um comentário no site do Pontes ou escrevendo um e-mail aos membros de nossa Equipe Editorial, você contribuirá diretamente com a escolha dos próximos temas aqui discutidos.

 

Esperamos que aprecie a leitura.

 

A Equipe Pontes

This article is published under
18 Julho 2017
Por meio de uma análise do histórico dos paradigmas de desenvolvimento, o autor discute as principais fragilidades e potencialidades relacionadas ao paradigma que considera característico do século XXI – o logístico – e pontua os desafios que se colocam ao Brasil nesse contexto.
Share: 
20 Julho 2017
Em 17 de julho, Brasil, Colômbia, Peru, União Europeia (UE) e Uruguai apresentaram uma proposta de reforma de subsídios agrícolas à Organização Mundial do Comércio (OMC). A proposta será discutida na...
Share: