Brasil amplia agenda de negociações comerciais

11 Agosto 2015

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) abriu consulta pública a respeito de negociações comerciais com nove parceiros – entre eles, os países da Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA, sigla em inglês). Por sua vez, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) concluiu a abertura do mercado russo para produtos lácteos brasileiros, bem como o mercado de Mianmar para carne bovina e de aves. As ações traduzem o discurso do governo brasileiro em retomar a centralidade do comércio exterior para a política econômica do país.

 

A consulta do MDIC envolve negociações já em andamento, como a expansão do Acordo de Complementação Econômica No. 53 (ACE-53) com o México. Já a inclusão da EFTA no radar da diplomacia comercial deve facilitar a transferência de tecnologia, setor que responde por parcela significativa das importações brasileiras dos maiores sócios do bloco, Noruega e Suíça. Em visita recente ao país, a vice-ministra e secretária de Estado de Economia da Suíça, Marie-Gabrielle Ineichen-Fleisch, afirmou que o Brasil é o país “mais importante na América Latina, para os suíços”. No último ano, a corrente comercial com os membros da EFTA foi de US$ 7,2 bilhões, dos quais o Brasil importou principalmente produtos farmacêuticos, químicos inorgânicos e reatores – que, somados, corresponderam a 27,9% do fluxo total entre os parceiros.

 

A abertura dos mercados birmanês e russo resultou da sequência de visitas que a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, realizou no primeiro semestre do ano. Além de acompanhar a presidente Dilma Rousseff em sua viagem oficial aos Estados Unidos, entre junho e julho, a ministra realizou missões oficiais a Japão, Rússia e União Europeia.

 

No caso de Mianmar, os certificados sanitários brasileiros foram aceitos para a importação de carne bovina e de aves. Com isso, os produtores brasileiros terão acesso a um mercado de aproximadamente 52 milhões de consumidores. A negociação bem-sucedida do Brasil com os birmaneses pode servir de base para a superação das dificuldades com a Indonésia, que tem restringido as compras de frango brasileiro por meio de barreiras regulatórias.

 

Já o protocolo assinado junto ao Serviço Federal Sanitário e Fitossanitário da Federação da Rússia prevê a certificação de estabelecimentos aptos para a exportação de produtos lácteos. Pelo acordo, os importadores russos poderão, a qualquer tempo, realizar missões de auditoria para verificar a conformidade dos controles oficiais. As listas de autorização prévia (prelisting) incluem, ainda, outros produtos de origem animal, em que o Brasil poderá incluir carnes (aves, bovinas e suínas) e a Rússia, produtos da pesca. Em 2014, os russos importaram cerca de US$ 3 bilhões de carne e miudezas do Brasil.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

MDIC. MDIC ouve setor privado sobre a negociação de acordos comerciais com nove países. (07/08/2015). Acesso em: 11 ago. 2015.

 

MRE. Abertura do mercado de Myanmar para carnes bovina e de aves. (07/08/2015). Acesso em: 11 ago. 2015.

18 Julho 2017
Neste artigo, os autores analisam os principais efeitos da Operação “Carne Fraca”, principalmente no que diz respeito à reputação e credibilidade do setor de carnes do Brasil no mercado internacional, e discutem como isso pode afetar as negociações comerciais das quais o país é parte.
Share: 
18 Julho 2017
O setor da carne bovina representa como poucos as contradições do Brasil. Usado costumeiramente para exemplificar nossas vantagens comparativas, foi também o receptor de vultosos investimentos...
Share: