Combustíveis: aditivando o debate

10 Junho 2015

O petróleo não durará para sempre. No entanto, passarão décadas até que a exploração do recurso seja economicamente inviável. Nesse período, a humanidade discutirá intensamente como garantir um suprimento adequado de energia para suas necessidades. Ao longo dessa trajetória, variadas alternativas saciarão as demandas do presente. As características desse cardápio influenciarão a disponibilidade futura de um elemento fundamental para a vida em sociedade, ou, pelo menos, o modelo de interdependência predominante no Ocidente.

 

Em outras palavras, a transição que nos levará a uma nova distribuição na matriz energética será diretamente influenciada pelo líder absoluto do presente. De fato, não há decisão sobre o tema que não dependa diretamente das cotações internacionais do petróleo. Ocorre, entretanto, que simples palavras, como "mercado", geralmente escondem intrincados processos. Commodity por excelência, o "ouro negro" é também um bem com alto teor político. Oferta e demanda explicam muito, mas não tudo. Ou, para dizer de outra maneira, oferta e demanda resultam de inúmeras decisões, algumas concentradas em poucas canetas. Por sua vez, as regras estabelecidas por um governo geralmente afetam dezenas de outras sociedades, tornando os desfechos no mercado de energia o resultado de um frágil equilíbrio entre múltiplos interesses.      

 

O presente número do Pontes apresenta a você, prezado(a) leitor(a), uma série de contribuições que nos ajudam a entender o que está em jogo no processo de afirmação de uma alternativa à supremacia do petróleo. Os textos aqui publicados discutem um aspecto fundamental para a sobrevivência de qualquer firma no setor de energia: regulação. Derivadas tanto da intervenção pública quanto de estratégias privadas com vistas à legitimação de setores emergentes, as instituições que criam as condições para a materialização das curvas de oferta e demanda de hoje são o ponto de partida para o mercado de energia do futuro.

 

Se falamos de energia, é necessário reconhecer: o que nos mantém em movimento é a valiosa contribuição proporcionada por você, prezado(a) leitor(a). Em um mundo marcado pela enorme abundância de informação, valorizamos ainda mais sua fidelidade ao Pontes. Queremos ouvir sua opinião sobre os temas aqui cobertos mensalmente. Para tanto, oferecemos tanto nosso site quanto nosso e-mail.

 

Esperamos que aprecie a leitura.

 

A Equipe Pontes

This article is published under
20 Novembro 2016
Neste artigo, os autores analisam os principais desafios e oportunidades que se colocam às relações entre China e Brasil na atual conjuntura, marcada por adversidades de ordem econômica e política.
Share: 
20 Novembro 2016
Este artigo analisa o papel do ombudsman nos novos acordos de investimento avançados pelo Brasil e discute como o exercício das funções dessa instância pode ser afetado pela transferência da APEX-Brasil para o MRE.
Share: