Estados Unidos criticam altas tarifas comerciais aplicadas pelo Brasil

7 Outubro 2018

O governo dos Estados Unidos recentemente criticou as políticas comerciais adotadas pelo Brasil, por considerá-las “as mais duras do mundo” em termos de proteção à indústria. As tarifas aplicadas pela Índia foram igualmente criticadas pela administração estadunidense. Tais declarações foram feitas logo após o anúncio de um acordo entre Canadá, Estados Unidos e México no âmbito do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, sigla em inglês).

 

Em 2017, o Brasil exportou US$ 26,87 bilhões em mercadorias aos Estados Unidos e importou US$ 24,84 bilhões de bens oriundos desse país. Esta foi a primeira vez desde 2008 em que o Brasil apresentou um superávit comercial com os Estados Unidos.

 

Este país é o segundo principal destino dos produtos brasileiros, atrás apenas da China. Para o presidente Donald Trump, seus antecessores fracassaram em monitorar e avaliar as relações comerciais com o Brasil, permitindo que se chegasse ao atual quadro preocupante.

 

Em documento circulado em março de 2018, o Escritório de Representação Comercial dos Estados Unidos (USTR, sigla em inglês) sustenta que os exportadores estadunidenses enfrentam um quadro de "significativa incerteza" no mercado brasileiro devido às altas tarifas de importação aplicadas pelo Brasil e por seus sócios do Mercado Comum do Sul (Mercosul).

 

O presidente do conselho da Câmara Americana de Comércio (AMCHAM, sigla em inglês), Hélio Magalhães, discorda do conteúdo das declarações de Trump sobre o Brasil. Para ele, "não é que nós negociamos de uma forma mais dura. A questão é que o Brasil é um país que sempre protegeu a produção interna”. Magalhães destacou, ainda, que oportunidades podem emergir da insatisfação manifestada por Trump – por exemplo, a negociação de um acordo comercial entre os dois países. Já Welber Barral, sócio fundador da BarralMJorge, sublinhou que as declarações de Trump não deixam claro se as críticas incidem sobre os investimentos ou o comércio bilateral.

 

Um dos principais atritos envolvendo Brasil e Estados Unidos no período corrente diz respeito ao pedido de adesão à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), apresentado pelo Brasil em junho de 2017. Mesmo após a internalização de 31 novos instrumentos jurídicos da OCDE (ver Boletim de Notícias Pontes), o processo ainda não foi formalmente iniciado no âmbito da Organização. Um dos principais motivos para tal é a negação por parte dos Estados Unidos em apoiar o início das tratativas para a adesão, sob o argumento de que é importante manter o grupo de membros limitado. Na atualidade, a OCDE é composta por 37 países membros.

 

Reportagem ICTSD

 

Fontes consultadas:

 

Jornal do Comércio. Trump critica relações comerciais EUA-Brasil. (02/10/2018). Acesso em: 05/10/2018.

 

Sputnik Trump critica relación comercial de EEUU con Brasil. (01/10/2018). Acesso em: 05/10/2018.

2 Outubro 2018
O Pontes de setembro publica artigos que refletem sobre os desafios a serem enfrentados pelo(a) próximo(a) presidente do Brasil nas áreas de comércio e desenvolvimento sustentável. Para tanto,...
Share: 
15 Outubro 2018
Em julho de 2018, os presidentes da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker, e dos Estados Unidos, Donald Trump, assinaram um compromisso voltado a aumentar sua corrente bilateral de comércio em...
Share: