México pode pedir abertura de mercado de grãos em renegociação do NAFTA

12 Agosto 2017

O México considera pedir a abertura do mercado de grãos no Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, sigla em inglês) para que possa importar soja e milho de Argentina e Brasil. Se levada à frente, a proposta será apresentada na primeira rodada de renegociação do Acordo. Caso concretizada, a abertura pode ser prejudicial para os agricultores do meio oeste dos Estados Unidos, região crucial para a chegada de Trump à Presidência.

 

A primeira reunião para renegociar o NAFTA ocorrerá entre 16 e 20 de agosto, em Washington. Ao discutir o Acordo, o ministro de Economia do México, Ildefonso Guajardo, afirmou que, se os empresários e agricultores “quiserem uma boa negociação no Norte, precisam nos dar o mandato para podermos ter fontes alternativas ao Sul”. Atualmente, Estados Unidos e Canadá são as principais fontes de grãos e oleaginosas do México. Cerca de 28% de todas as exportações de milho dos Estados Unidos são direcionadas àquele país. De outro lado, o México é apenas o 46º importador de milho do Brasil em 2017.

 

Em busca de alternativas frente ao discurso mercantilista de Donald Trump, em abril de 2017, o governo mexicano já havia aberto a oportunidade de negociação de 900 toneladas de arroz brasileiro. Na mesma ocasião, o secretário de Agricultura mexicano afirmou que existia o interesse de também negociar a compra de milho brasileiro e argentino (ver Boletim de Notícias Pontes).

 

A maior parte do arroz dos Estados Unidos é produzida no estado do Arizona e a maior parte do milho, em Iowa, Minnesota e Illinois. Os estados do meio Oeste foram cruciais para a recente eleição presidencial. Se, de um lado, Trump trouxe consigo a expectativa de menor pressão regulatória sobre os agricultores, de outro, a questão do milho e do arroz tornou-se motivo de preocupação para o produtor doméstico (ver Boletim de Notícias Pontes).

 

Ainda que a diversificação das parcerias comerciais seja um objetivo importante, a pressão do governo mexicano também deve ser vista como uma forma de barganha em busca do aumento de sua alavancagem na renegociação do NAFTA e nas relações com o governo dos Estados Unidos de modo geral. 

 

No final de julho, o governo dos Estados Unidos publicou os objetivos da renegociação do NAFTA e apontou para o interesse de “expandir as oportunidades de mercado para os bens agrícolas dos EUA nos países do NAFTA, substantivamente equivalente às oportunidades oferecidas a exportadores estrangeiros no mercado dos EUA”.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

ANSA Latina. ¿Apertura a los granos de Argentina y Brasil? (09/08/2017). Acesso em: 10/08/2017.

 

IstoÉ. México quer abrir NAFTA para soja e milho do Brasil. (09/08/2017). Acesso em: 10/08/2017.

 

Latin American Times. Mexico's bargaining chips with Trump? How about a corn boycott. (29/03/2017). Acesso em: 10/08/2017.

10 Agosto 2017
Em 7 de agosto, um representante da China lotado em Montevidéu afirmou que seu país tem interesse em um tratado de livre comércio (TLC) com o Uruguai e o Mercado Comum do Sul (Mercosul). No dia...
Share: 
17 Agosto 2017
A Câmara de Comércio Internacional (ICC, sigla em inglês) lançou, em 14 de agosto, a Comissão de Políticas de Comércio e Investimentos da ICC no Brasil. O evento de lançamento contou com a presença...
Share: