Mercosul: enquanto China mostra interesse em TLC, audiência discute adesão da Bolívia

10 Agosto 2017

Em 7 de agosto, um representante da China lotado em Montevidéu afirmou que seu país tem interesse em um tratado de livre comércio (TLC) com o Uruguai e o Mercado Comum do Sul (Mercosul). No dia seguinte, a delegação brasileira junto ao Parlamento do Mercosul (Parlasul) promoveu uma audiência pública sobre a adesão da Bolívia ao bloco. Paralelamente, o governo peruano convocou uma reunião de chanceleres sobre a situação da Venezuela após a suspensão do país do Mercosul com base no Protocolo de Ushuaia.

 

O interesse em negociar um TLC com o Uruguai e o Mercosul foi manifestado pelo conselheiro econômico e comercial da Embaixada da China em Montevidéu, Zhou Quan. Na mesma linha, o diretor da região Ásia, África e Oceania do Ministério de Relações Exteriores uruguaio, Alberto Fajardo, também destacou a possibilidade de um acordo ao afirmar que “o desejo de todos os parceiros do Mercosul é assinar, eventualmente, um acordo comercial com a China”.

 

Fajardo apontou também que “houve o desejo de estabelecer e assinar um acordo de livre comércio [com a China]”, mas que a negociação teve que ser adiada por exigir maior coordenação com os parceiros no Mercosul. O diplomata referiu-se ao interesse uruguaio de iniciar a negociação de um acordo com o país asiático, conforme expressado em encontro bilateral, em outubro de 2016. Por outro lado, o interesse da China em um TLC com o Mercosul não é recente e já havia sido expressado em 2012.

 

Em paralelo, a realização de uma audiência pública para analisar a possível entrada da Bolívia no Mercosul marcou a primeira etapa do processo de ratificação do protocolo de adesão, assinado em julho de 2015. O diretor do Departamento do Mercosul do Ministério das Relações Exteriores, Otávio Brandelli, manifestou apoio à adesão da Bolívia ao bloco, ressaltando que o país é a maior fronteira terrestre do Brasil. Destacou, ainda, a importância da questão energética, assim como o êxito das políticas macroeconômicas do país vizinho.

 

Em 8 de agosto, o Itamaraty informou, em nota oficial, sobre a participação do ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, em uma reunião de chanceleres para discutir a situação da Venezuela. Segundo o documento, “o encontro, de iniciativa do governo peruano, tem por objetivo reforçar o diálogo regional diante do agravamento da crise venezuelana”. A Venezuela foi suspensa do Mercosul em 5 de agosto, com base no entendimento de que houve ruptura da ordem democrática no país.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

El País. Uruguay y China iniciarán “cuanto antes” las negociaciones por un TLC. (18/10/2016). Acesso em: 08/08/2017.

4 Agosto 2017
O Diário Oficial da União do Brasil publicou, em 26 de julho, o decreto que flexibiliza os requisitos aplicáveis às indústrias fragmentadas para o acesso a mecanismos de defesa comercial. O decreto...
Share: 
12 Agosto 2017
O México considera pedir a abertura do mercado de grãos no Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, sigla em inglês) para que possa importar soja e milho de Argentina e Brasil. Se levada...
Share: