Ministros do Mercosul e da ASEAN discutem o fortalecimento das relações birregionais

28 Setembro 2017

Os ministros das Relações Exteriores dos países da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN, sigla em inglês) e do Mercado Comum do Sul (Mercosul) reuniram-se em 22 de setembro de 2017, no contexto da 72ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas (UNGA, sigla em inglês). O objetivo da reunião foi discutir formas de fortalecer os laços inter-regionais, particularmente em comércio, investimento e economia. A reunião aconteceu pouco tempo depois da visita do ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, ao sudeste asiático. Apesar dos pontos de acordo, o comunicado conjunto não esboça uma agenda de trabalho para os próximos anos.  

 

A UNGA abriu a oportunidade para encontros regionais e bilaterais de países sul-americanos e do Mercosul com potenciais parceiros econômicos e comerciais. Nessa ocasião, destaca-se o jantar promovido pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, do qual participou Michel Temer. Apesar das expectativas, houve pouco espaço para avanços na agenda bilateral de Brasil e Estados Unidos (ver Boletim de Notícias Pontes). Do lado argentino, uma agenda de encontros mais ativa do que a brasileira incluiu reuniões com os governos de Espanha, Fiji, Finlândia, Índia, Itália, Kuwait, Qatar, Romênia, Turquia, entre outros.  

 

No encontro Mercosul-ASEAN, também às margens da UNGA, os países-membros ressaltaram que é necessário fortalecer a cooperação no campo econômico para fins de desenvolvimento sustentável e “prosperidade inclusiva”. Concordaram, ademais, em fortalecer a cooperação em áreas como desenvolvimento sustentável, turismo, conectividade, inovação e fluxo de pessoas. O foco em micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) também chamou atenção das partes, que expressaram apoio à facilitação do engajamento das MPMEs no comércio entre as regiões.

 

Apesar dos pontos de acordo, o comunicado conjunto dos blocos foi marcado por uma linguagem vaga, sem propostas mais concretas ou o estabelecimento de um plano de ações/agenda de trabalho para os próximos anos.

 

Em agosto, o embaixador brasileiro Marcos Galvão já havia participado de uma solenidade na embaixada da Tailândia em Brasília, quando afirmou que o Mercosul é “um parceiro natural para a ASEAN, não só porque os dois projetos de integração são os mais importantes em suas regiões, mas também porque têm a mesma posição em relação a diversos pontos da agenda internacional”. No começo de setembro, o ministro de Relações Exteriores do Brasil visitou o sudeste asiático, onde tratou da aproximação entre Mercosul e ASEAN. O objetivo também foi dar seguimento às discussões sobre um possível acordo de comércio entre os blocos.

 

Reportagem ICTSD

25 Setembro 2017
Recentemente condenada pela Organização Mundial do Comércio (OMC), a política automotiva do Brasil está em processo de transformação. O governo considera que o programa Rota 2030 será mais focado no...
Share: 
30 Setembro 2017
Uma possível sobretaxa ao aço chinês e russo anuncia-se no horizonte e divide produtores domésticos de aço e consumidores finais. Particularmente no que diz respeito à China, a imposição de...
Share: