OMC: membros solicitam intervenção para evitar guerra comercial mundial

14 Maio 2018

Durante a reunião do Conselho Geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), em 8 de maio, a delegação do Brasil e de mais 40 membros solicitaram a intervenção da Organização para evitar uma possível guerra comercial global entre Estados Unidos e China. Argentina, Austrália, Chile, Coreia do Sul, Panamá e Uruguai estão entre os países que apoiaram a iniciativa.

 

Circulada durante a sessão do Conselho Geral, a declaração conjunta expressa a preocupação com o aumento das tensões comerciais e riscos relacionados ao sistema multilateral e ao intercâmbio global de comércio. Ademais, os 41 membros da OMC recomendam a busca de um diálogo para evitar que os demais integrantes do sistema multilateral de comércio tomem medidas protecionistas. Igualmente, pedem que os membros resolvam suas diferenças por meio da cooperação – inclusive no âmbito da OMC – e, caso seja necessário, recorram ao mecanismo de solução de controvérsias da OMC para resolver suas questões.

 

O texto também ressalta a relevância de um sistema multilateral de comércio baseado em um bom funcionamento de regras comerciais. As nações envolvidas afirmam que o funcionamento do sistema baseado em regras comerciais é fundamental para as economias de cada um dos membros, assim como para a estabilidade global, a prosperidade e o desenvolvimento da economia mundial.

 

Em uma reunião informal de todos os membros da OMC, realizada em 7 de maio, o diretor-geral Roberto Azevêdo solicitou que os membros intensifiquem o trabalho com vistas a superar os desafios sistêmicos pelos quais passa o multilateralismo. Para Azevêdo, enquanto persistirem as tensões entre os principais parceiros comerciais, o risco de uma grave crise permanece latente. Azevêdo mencionou, ainda, a necessidade de fazer o possível para evitar a construção de um caminho que conduza à tomada de medidas que posteriormente sejam difíceis de reverter.

 

Também exortou os membros a continuarem buscando diálogos bilaterais, com o objetivo de complementar os processos multilaterais. O importante é que as conversas estejam ocorrendo e que os membros busquem soluções conjuntamente – disse o diretor-geral da OMC.

 

O pronunciamento feito pelos 41 membros acontece no contexto da intensificação do enfrentamento comercial entre Estados Unidos e China, quando aquele país anunciou tarifas sobre a importação de 1,3 mil produtos chineses, no valor de US$ 50 bilhões. Em retaliação, o governo chinês impôs aos Estados Unidos uma tarifa de 25%, aplicada a 106 produtos do país – entre eles, soja, automóveis, produtos químicos e certos tipos de aeronaves. Em seguida, a China apresentou formalmente à OMC um pedido de consulta aos Estados Unidos pela imposição de tarifas sobre a lista de produtos importados chineses (ver Boletim de Notícias Pontes).

 

Reportagem ICTSD

 

Fontes consultadas:

 

Jornal do Comércio. Brasil e mais 40 nações apelam à OMC contra guerra comercial. (08/05/2018). Acesso em: 10/05/2018.

 

WTO. Azevêdo urges members to seek urgent solutions on systemic challenges. (07/05/2018). Acesso em: 10/05/2018.

 

______. Members voice concerns over rising trade tensions, underline support for WTO. (08/05/2018). Acesso em: 10/05/2018.

9 Maio 2018
Devido a um aumento na área de cultivo de beterraba branca, a União Europeia (UE) obteve recentemente um aumento na produção do tubérculo, ocasionando uma queda no preço do açúcar. Essa queda também...
Share: 
16 Maio 2018
Durante o mês de maio, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, visitará sete países da Ásia: China, Cingapura, Coreia do Sul, Indonésia, Japão, Tailândia e Vietnã. A viagem, que teve...
Share: