Promessas de um mundo velho?

24 Agosto 2017

Pouco mais de seis meses após a ascensão de Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos, a exaustão começa a tomar conta do público. Com o cansaço, chega a impressão de que as declarações descuidadas e o acúmulo de escândalos correspondem ao novo status quo na Casa Branca. Considerando o papel do governo estadunidense na construção da arquitetura institucional que sustenta o sistema internacional pelo menos desde 1945, estamos diante de um fato novo. Se o governo estadunidense se guiará nos próximos anos pelo comportamento intempestivo de seu líder, como devem reagir os outros países?

 

O triunfo de Donald Trump tem exposto não apenas os desarranjos da política dos Estados Unidos. Indo além, o fato realça as limitações enfrentadas por outros Estados para ocupar o vácuo de poder deixado pela chegada de Trump à Casa Branca. Seja pela natureza de suas regras ou pelas contradições entre o discurso e a prática, inúmeras críticas à atual ordem foram acumuladas desde meados do século XX. Em certa medida, o alcance de tais queixas seria reforçado pela sólida estrutura institutional existente. Mais especificamente, a existência de um arcabouço minuciosamente planejado oferece inúmeros alvos sobre os quais outros países construíram seu posicionamento no cenário internacional.

 

Nesse sentido, precisamos refletir sobre o papel do Brasil em um contexto marcado pela incerteza. Quais são as oportunidades e desafios trazidos pelo peculiar estilo de Donald Trump? Seremos capazes de interpretar o momento atual de forma adequada? Existe espaço para a criatividade na formulação de respostas aos atuais desafios? Seremos capazes de lidar tanto com as transformações na arena internacional quanto com a instabilidade dentro de nossas fronteiras? Embora estejamos diante de perguntas complexas, é necessário encontrar respostas. Por isso, o presente número do Pontes oferece a você, prezado(a) leitor(a), textos que discutem as consequências da ascensão de Trump à presidência dos Estados Unidos sobre temas de interesse direto da agenda brasileira.

 

Tendo em vista a dificuldade da tarefa, gostaríamos de incentivá-lo(a) a participar do debate. Esperamos o seu e-mail ou a participação no site do Pontes. Ademais, reforçamos o convite para que apontem temas de seu interesse aos membros de nossa Equipe Editorial. Teremos enorme prazer em organizar discussões que ofereçam a você, prezado(a) leitor(a), elementos que permitam uma melhor compreensão do incerto mundo em que vivemos.

 

Esperamos que aprecie a leitura.

 

A Equipe Pontes

This article is published under
24 Agosto 2017
Como as relações Executivo-Legislativo podem impactar o teor protecionista da agenda comercial perseguida pela administração Trump? A autora argumenta que o presidente precisará não apenas investir capital político em saídas negociadas com o Congresso, mas também junto a corporações que buscarão contrabalançar a agenda restritiva de Trump.
Share: 
25 Agosto 2017
O governo brasileiro decidiu entrar com pedido de estabelecimento de painel frente à Organização Mundial do Comércio (OMC) no contencioso iniciado no começo de 2017 contra o Canadá e envolvendo...
Share: