Publicações

21 Agosto 2018

Ferramenta interativa de busca de acordos comerciais

 

RTA Exchange – julho 2018

Iniciativa conjunta do International Centre for Trade and Sustainable Development (ICTSD) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a RTA Exchange acaba de incorporar novos dados em seu mapa interativo de acordos comerciais regionais (ACR). A ferramenta oferece uma função de busca, com a qual o usuário pode inserir uma palavra-chave e verificar como esta tem sido abordada em diferentes temas nos mais de 400 ACR existentes e em negociação que compõem a base de dados. Ao mesmo tempo, proporciona uma navegação simples, por acordo, capítulo e artigo. No contexto cada vez mais complexo de disposições abordadas nos ACR, essa ferramenta permite que os responsáveis por políticas comerciais, negociadores de acordos, academia, sociedade civil e empresas tenham acesso facilitado aos textos dos acordos. Dessa forma, é possível elaborar uma análise de melhor qualidade sobre os possíveis impactos dos ACR e tomar decisões mais informadas. Para acessar a ferramenta, clique aqui.

 

Cadeias globais de valor e Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: qual é o papel do comércio e das políticas industriais?

 

ICTSD – julho 2018

Através das cadeias globais de valor, os países de baixa renda e de menor desenvolvimento relativo (PMDRs) podem ser integrados no sistema do comércio mundial, que oferece oportunidades de crescimento econômico, geração de emprego e aprendizado por meio da exportação. No entanto, a participação em cadeias globais de valor não resulta automaticamente em sustentabilidade social e ambiental. Este relatório resume as principais conclusões do programa de investigação sobre Transformação Econômica Inclusiva do International Centre for Trade and Sustainable Development (ICTSD) sobre as cadeias globais de valor. Em uma série de estudos de caso, o programa examinou as cadeias de valor de chá no Quênia, Nepal e Sri Lanka; de produtos têxteis na Etiópia, Lesoto e Mianmar; da pesca no Cambodja; e o setor de externalização de processos comerciais no Quênia. Essa análise aponta para tendências transversais que constituem a base das recomendações de políticas voltadas a garantir que a produção da cadeia de valor esteja alinhada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Para acessar o texto, clique aqui.

 

Como a Presidência argentina do G20 pode respaldar a contribuição do comércio para um futuro alimentar sustentável?

 

ICTSD – julho 2018

Este relatório busca contribuir para a discussão de como os países do G20 podem contribuir para um “futuro alimentar sustentável” – uma das prioridades da Presidência argentina do G20. O documento examina o papel do comércio nesse fronte, analisa o estado da arte do debate sobre segurança alimentar no âmbito do G20 e identifica três propostas-chave para que o G20 tome esses pontos em consideração à medida que avança nessa agenda de trabalho. Para acessar o texto, clique aqui.

 

Promovendo capacidades, fomentando o desenvolvimento

 

ICTSD – julho 2018

A 11ª Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC) não logrou resultados em matéria de tratamento especial e diferenciado (S&DT, sigla em inglês). Isso pode ser compreendido a partir das divergências quanto ao instrumento e alcance ótimo de uma política comercial, bem como a respeito do papel dos governos na promoção de uma transformação estrutural. As discussões apresentadas neste relatório buscam contribuir para reflexões sobre como as regras comerciais multilaterais podem fortalecer os padrões de comércio e as políticas comerciais com vistas a impulsionar uma transformação econômica. Como as novas tecnologias, cadeias globais de valor e acordos de comércio e investimento impactam as políticas comerciais e o desenvolvimento industrial? Estas e outras perguntas são contempladas no documento disponível aqui.

 

A facilitação do comércio frente à revolução tecnológica

 

BID – março 2018

No comércio internacional, o tempo é essencial. Em muitos casos, os processos burocráticos constituem um obstáculo significativo – mais ainda em um mundo de tarifas relativamente baixas e modelos de negócios just-in-time. Por isso, a facilitação do comércio tem se convertido em um aspecto-chave de qualquer estratégia de integração comercial, especialmente para a América Latina e Caribe, região em que as barreiras naturais são elevadas, a participação nas cadeias globais de valor é baixa e as pequenas e médias empresas (PMEs) exportam pouco. Para acessar o texto, clique aqui.

 

Contribuições a um grande impulso ambiental na América Latina e Caribe: bioeconomia

 

CEPAL – julho 2018

A bioeconomia promove novas formas de organização das cadeias de valor associadas à biodiversidade (biocadeias) e à geração de fluxos de economia circular. A melhoria das condições ambientais resulta da reorientação coordenada de políticas, investimentos, regulações e regime de impostos na direção do crescimento econômico, da geração de empregos e do desenvolvimento de cadeias produtivas, somados à diminuição da pegada ambiental. Neste documento, são identificados fatores institucionais, regulações e barreiras de acesso a mercado que limitam o fluxo de investimentos e a coordenação de políticas que contribuiriam para a melhoria das condições ambientais na América Latina e Caribe por meio da bioeconomia. Acesse o texto aqui.

 

Perfis tarifários mundiais - 2018

 

OMC, ITC, UNCTAD – julho 2018

Esta é uma publicação conjunta da Organização Mundial do Comércio (OMC), Centro de Comércio Internacional (ITC, sigla em inglês) e Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD, sigla em inglês), que busca oferecer informações sobre as tarifas e medidas não tarifárias impostas em mais de 170 países e territórios aduaneiros. Os dados tarifários são apresentados em quadros comparativos e em perfis de uma página para cada economia. As estatísticas sobre medidas não tarifárias por país e por categoria de produto complementam os dados sobre tarifas. A publicação também inclui uma análise sobre como os países de menor desenvolvimento relativo (PMDRs) fazem uso das tarifas preferenciais oferecidas pelos parceiros comerciais para suas exportações. Para acessar o texto, clique aqui.

This article is published under
19 Agosto 2018
A continuidade nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China tem afetado o mercado mundial de alimentos, em especial o cultivo de soja. Nesse contexto, empresas chinesas e brasileiras têm...
Share: 
21 Agosto 2018
O autor destaca que a agenda de Facilitação 2.0 é uma oportunidade única de implementar uma política comercial adequada para a era digital. Sustenta que não apenas será possível expandir o campo da facilitação do comércio, mas também aprofundar seu uso com a ajuda da “Internet das regras”.
Share: